Blog Archives

7º Passeio de Cicloturismo da Silva

Passeio de Cicloturismo da Silva 2008À semelhança de anos anteriores, no passado dia 25 de Abril, participei no passeio cicloturístico da Silva que, como habitualmente, liga esta freguesia ao farol de Esposende. Logo pela manhã, um enorme aglomerado de cicloturistas partiu da sede do Núcleo Desportivo da Silva e, escoltado pela polícia e por alguns motards dos Motogalos, rumaram ao litoral. Este passeio não tem qualquer caracter competitivo e é realizado a um ritmo bastante baixo. O importante é a participação de todos e o convívio. Por isso, é comum a presença de muitas crianças, alguns jovens de idade mais avançada e um número significativo de mulheres. O percurso é sempre por estrada, com óptimo piso e com desníveis pouco acentuados. A maior dificuldade é pedalar dentro de um grupo tão grande a um ritmo tão baixo. Consoante o desnível do percurso, alguns elementos menos experientes alteram muito o seu ritmo e isso causa algumas perturbações e, por vezes, provoca atrapalhações e até algumas quedas. Na chegada a Esposende, como habitual, fomos presenteados com um lanche e mais alguns momentos de convívio.

Passeio Cicloturismo SilvaNo regresso, já sem pelotão, optámos por um percurso diferente. Dado que, em termos físicos, ainda estávamos bem frescos, escolhemos um percurso mais exigente. Em Creixomil, efectuámos um desvio com algumas subidas, até Santa Leocádia. No final da manhã já estávamos de regresso a casa e com a tradição do 25 de Abril cumprida. Este passeio conta já com alguns anos e já se tornou um ponto de encontro e confraternização entre os que têm o gosto e algum prazer em pedalar. Foi a minha terceira ou quarta participação e, certamente, muitas mais se seguirão.

3º Passeio de BTT da Silva

3º Passeio BTT da SilvaDepois de uns tempos de abrandamento na dedicação aos passeios de bicicleta, em parte provocados por uma nova lesão no joelho esquerdo, voltei a participar num evento do género. Assim, numa manhã de Domingo bem fresca, lá estava eu e mais uns quantos habitués destas andanças, prontos para mais umas pedaladas. Depois da Maratona do Porco Assado e do Grande Prémio da Silva, era a minha terceira participação numa actividade organizada pela Núcleo Desportivo da Silva. Isto sem contar várias participações nos passeios de 25 de Abril até Esposende. Como vem sendo habitual, nota-se uma grande adesão dos betetistas a estas realizações. Mesmo sem qualquer tipo de prémio, o convívio saudável entre os participantes atrai muitos jovens.

O passeio teve início junto à sede do N.D.S. e, após um pequeno passeio de reconhecimento pelas estradas da freguesia, rumou aos montes circundantes. Nos primeiros quilómetros, a principal dificuldade foi a grande concentração de participantes que provocou algumas paragens, em consequência dos engarrafamentos verificados nas passagens mais estreitas. Depois de entrar verdadeiramente no monte e realizar algumas subidas, os espaços aumentaram e a cadência podia ser mais regular. O percurso tornava-se cada vez mais agradável, principalmente por não ser de elevada exigência física nem técnica. Por volta do décimo quilómetro surgiu a primeira verdadeira dificuldade: uma longa subida perto do Penedo do Ladrão. Pouco depois começava a dura subida para São Gonçalo, que era o ponto mais alto do percurso. Após a passagem no alto, começou a melhor parte de todo o passeio. A descida já me era familiar, mas devido ao receio de quedas, nunca a tinha apreciado devidamente. Foi uma descida espectacular, onde até deu para esboçar uns saltos, de início tímidos, mas cada vez mais entusiasmados. Quando terminou a descida, contrariamente ao normal, não senti a incómoda “dor de burro”. Nunca esta descida me tinha parecido tão curta!

BTT - Descendo o monte de São GonçaloA segunda parte do passeio foi maioritariamente a descer e, por isso, pouco depois estávamos de regresso ao ponto de partida. Ainda não era sequer meio-dia e as pernas ainda se mostravam frescas. Até dava vontade de fazer uma segunda volta, pois os trinta quilómetros realizados pareceram bem menos. Apesar de ter sido classificado com um grau médio de dificuldade, e mesmo não estando em boa forma, o passeio foi bem agradável e não provocou grande desgaste. O único aspecto que alteraria no passeio seria a localização do reforço alimentar. A sua colocação a meio de uma subida bastante dura torna difícil o recomeço. De resto, mais uma excelente organização do N.D.S., como já vem sendo habitual.