Blog Archives

Concertos Promenade – Concerto de Aranjuez

Os concertos Promenade são uma tradição britânica que o Coliseu do Porto está a tentar introduzir em Portugal. Estes concertos caracterizam-se pelo seu cariz popular. É destinado a um público menos selectivo e os preços são muito acessíveis. Além disso, as orquestras também escolhem temas mais conhecidos, de forma a conseguirem uma maior aproximação com o público. O ambiente vivido é também muito mais informal e existe mais comunicação entre todos os intervenientes, incluindo interacção entre o público e a orquestra. Por tudo isto, é muito comum a presença de muita juventude e bastantes crianças acompanhadas por pais ou avós. Pessoalmente, foi a primeira vez que assisti a um destes concertos, mas trata-se de uma experiência a repetir tão brevemente quanto possível.

Joaquin RodrigoEste concerto era composto por várias obras mas o tema principal era o “Concerto de Aranjuez” do compositor espanhol Joaquin Rodrigo. Este tema largamente conhecido é a obra prima do maestro Rodrigo e é o mais famoso concerto para viola e orquestra jamais concebido. Tal como foi explicado ao longo do concerto, esta combinação não era muito comum, mas resultou plenamente nesta obra magistral. Apesar de já conhecer o tema, o interesse pelo mesmo aumentou depois da passagem por Aranjuez e uma visita guiada pelos lugares que inspiraram o maestro Rodrigo, complementada com referências a algumas estórias curiosas sobre a sua longa vida. Este concerto, dividido em três partes ou andamentos, permite ao espectador apreciar o virtuosismo do guitarrista e deliciar-se com o maravilhoso solo executado no corne inglês.

Tal como o tema principal do concerto, a maioria dos restantes temas também eram de autores espanhóis e tinham uma sonoridade típica do país vizinho. O primeiro tema foi “La Leyenda del Beso” de Reveriano Soutullo, seguindo-se a “Abertura de Candide” de Leonard Bernstein (inspirado em “Cândido ou o Optimismo”, livro de Voltaire cuja acção decorre em parte em Lisboa). Depois ouviu-se “La Verbena de La Paloma” de Tomas Breton e o “Concerto de Aranjuez”. Para terminar, a orquestra executou “La Boda de Luis Alonso” de Gerónimo Giménez e foi acompanhada por um par de bailarinos de flamenco que coreografou brilhantemente o tema. O concerto foi muito agradável e, se houver oportunidade para tal, marcarei presença em mais alguns Concertos Promenade do Coliseu do Porto.

Carmen – Georges Bizet

Cerca de seis meses depois de ter assistido pela primeira vez ao vivo a uma Ópera (a Aida de Verdi), voltei ao Porto para assistir a um outro grande espectáculo do mesmo género. Desta vez a escolha recaiu na Carmen, a obra mais afamada de Georges Bizet. O grupo era quase o mesmo, entrando a Nati para o lugar do Arya. O espectáculo foi no Coliseu e, como chegámos em cima da hora, os lugares em que ficámos não eram os melhores, impedindo uma boa visualização do palco. No primeiro intervalo entre actos tratámos de resolver isso e encontrámos lugares com melhor visibilidade.

Carmen - Coliseu do PortoEsta Ópera foi a derradeira obra de Georges Bizet e tornou-se também a mais conhecida. É composta por quatro actos e baseia-se numa obra homónima de Prosper Mérimée. A sua estreia ocorreu em 3 de Março de 1875 na Opéra Comique de Paris. A acção desta obra decorre no início do séc.XIX em Sevilha e nos seus arredores. Carmen, a protagonista, trabalha numa fábrica de tabaco situada ao lado de um quartel onde prestava serviço Don José outro dos protagonistas. O enredo desenvolve-se principalmente em torno de quatro personagens: Carmen, a jovem vistosa e sedutora, Don José, o sargento navarro, Micaela, a jovem casta e ingénua, e Escamillo, o toureiro destemido. As paixões e ódios entre estes intervenientes são o centro sobre o qual se desenrola a história. Don José apaixonou-se pela atraente sevilhana que diariamente admirava à saída do trabalho. A discreta Micaela enamorava secretamente Don José e trazia uma carta da mãe dele que lhe recordava os momentos felizes vividos na sua terra natal e o aconselhava a casar com ela. Este estava convencido a regressar mas, devido a uma rixa em que Carmen se envolveu, foi encarregado de a escoltar à prisão e nesse percurso ela consegue seduzi-lo e atera os seus planos.

Depois de um elaborado enredo onde surgem muitos outros personagens e depois de algumas reviravoltas, Carmen acaba por escolher o toureiro aclamado por toda a praça. Don José, sentindo-se rejeitado, esconde-se na multidão que aclama Escamillo e consegue resgatar Carmen, tentando convencê-la a voltar para ele. No entanto, ela voltou a afirmar-lhe a sua liberdade de escolha, independentemente das consequências que daí pudessem advir. Num momento de loucura resultante da rejeição de que fora alvo e das aclamações que a praça dedicava a Escamillo, Don José atinge mortalmente a sua amada com um punhal. Em desespero cai sobre ela e lamenta o seu destino fatídico.

Carmen - Coliseu do PortoAlém de uma história envolvente, esta peça destaca-se pela música que a acompanha. Muitos dos temas são familiares ao ouvido de todos, mesmo daqueles que não conhecem nada de Ópera. Entre esses temas destacam-se o “Toreador” e “Habanera”. Apesar de não ter tido uma aceitação estusiástica aquando da sua estreia, esta obra de Bizet foi conquistando gradualmente o público até se tornar numa das Óperas mais conhecidas e mais representadas. Nesta representação merece destaque o facto pouco comum de quase todos os intérpretes serem portugueses. A Orquestra Nacional do Porto também esteve em excelente nível, o que contribui para que mais de três horas se passassem muito agradavelmente.