Blog Archives

Subida a Carris 2009

Uma das actividades que tenho realizado quase todos os anos com alguns amigos já está quase a atingir a categoria de tradição. Nos últimos cinco anos, este percurso foi feito por quatro vezes e três elementos são totalistas (eu e os Pires). A subida até às minas de Carris é uma caminhada fisicamente exigente e, simultaneamente, um exercício de fuga da civilização e de alguns dos seus vícios. Aproveitando a pausa escolar (e de algumas empresas) para festejar o Carnaval, aproveitámos para rever algumas das mais belas paisagens da Serra do Gerês.

Caminhada às Minas de CarrisEm edições anteriores havia sempre alguma dificuldade em fazer este percurso, inerente ao acentuado desnível e ao piso complicado. Porém, desta vez tínhamos uma agradável surpresa à nossa espera. Nas outras vezes, a caminhada foi feita no Verão ou no final da Primavera e com temperaturas agradáveis. Desta vez, a temperatura estava um pouco mais fresca, mas para caminhar até era bastante adequada. Na parte inicial do percurso há bastante sombra e, por isso, por vezes até se fez sentir algum frio. A partir do momento em que a vegetação começa a rarear, o calor começa a fazer-se notar. Contudo, quando a vegetação começava a diminuir, começava a surgir um novo elemento: alguns restos de neve. Apesar do Inverno rigoroso, o último nevão já tinha ocorrido há mais de três semanas e, como tal, já não esperávamos mais que uns restos de neve em sítios menos expostos ao Sol. De facto, começámos por ficar muito satisfeitos por encontrar pequenos amontoados de neve, conservados nas sombras nas margens do caminho. Porém, a partir do meio do percurso, deixaram de ser pedaços de neve ou gelo no caminho para se transformar num trilho completamente branco e pouco estável.

Serra do GerêsForam certamente uns quatro quilómetros percorridos sobre um piso instável e ruidoso, que constantemente nos pregava partidas, até chegar junto das minas desactivadas. As quedas e afundamentos na neve eram constantes, o que fez com que demorássemos mais a chegar ao cimo da serra. Depois de almoçar encostados a um penedo, para evitar as fortes rajadas de vento, fomos visiar a represa, que se encontrava completamente congelada, mais parecendo uma pista de patinagem, e subimos até ao marco geodésico, para apreciar as vistas sobre o enorme manto branco. Na descida continuaram as quedas que, por não serem poucas, começavam a desgastar as articulações e o cansaço começava a fazer-se sentir. Juntando estes dois factores, a nossa forma de caminhar parecia pouco sóbria. Com mais algumas escorregadelas, tropeções e tombos a condizer, lá conseguimos chegar novamente a solo firme e acelerar o passo até ao carro que nos traria até casa. A experiência de caminhar sobre neve foi nova para todos e, apesar de não estarmos preparados, distinguiu esta caminhada de todas as que tínhamos feito anteriormente. Para o próximo ano é para repetir (se o Inverno se portar novamente tão bem – ou tão mal).

Trilho da Calcedónia

calcedonia1.jpgAproveitando o último dia de estadia do Vitor por cá, antes de voltar à Califórnia, aproveitámos para fazer algo que há muito não fazíamos. Reservámos o dia para uma caminhada em família, relembrando os tradicionais Domingos familiares da nossa infância. Dado que os pais não estão muito habituados a estas andanças, tínhamos de escolher um percurso interessante mas acessível. A primeira ideia foi uma subida às Minas de Carris. Contudo, a distância e a dureza do percurso não aconselhavam essa opção. Assim, após uma breve pesquisa na net, surgiu uma alternativa razoável – o Trilho da Calcedónia. Este percurso pedreste de Pequena Rota tem um percurso com cerca de 10kms, com início e fim na freguesia de Covide (Terras de Bouro). Apesar de não ser muito extenso, nos desdobráveis adquiridos no Museu Etnográfico de Vilarinho das Furnas, era considerado de dificuldade elevada e previa uma duração de cinco horas para a sua realização.

Trilho da CalcedóniaDepois de uma manhã vagueando pelo Gerês, com passagens pelos miradouros da Pedra Bela e pela Cascata do Arado, entre outros sítios interessantes, fomos parar a Campo do Gerês, onde acabámos por almoçar. Bem abastecidos partimos então rumo à Calcedónia. A caminhada começou já perto das 3 horas da tarde. O tempo estava bem agradável para caminhar e o início do trilho era relativamente plano, percorrendo alguns caminhos de Covide. Pouco depois, já completamente “fora da civilização”, o percurso alterou-se drasticamente e passámos a andar em carreiros bem complicados e com uma inclinação ascendente bem elevada. Aqui os “motores” começaram a aquecer e fez-se sentir a falta da água que ficou esquecida no carro. Também por esta altura, os pais começaram a tomar consciência da aventura em que se tinham metido. Efectivamente, o trilho era muito complicado e de grande dificuldade física. Para quem se estreava neste tipo de actividades, este não era certamente dos percursos mais fáceis.

calcedonia2.jpgCom boa disposição e algumas pausas para respirar um pouco, pois a subida não só era dura como também era bem longa, atingímos o cume, onde se encontravam os maiores rochedos e a famos Fenda da Calcedónia. O mais difícil estava ainda para vir. Se a subida não foi nada fácil, a descida foi bem pior. O trilho era estreito, com piso irregular e com declives bastante acentuados. A existência de muitas pedras soltas e alguma areia ao longo dos carreiros dificultava um pouco mais e os músculos pouco rotinados dos estreantes começavam a dar sinais de cansaço. Com o final à vista, foi num instante que terminámos o percurso e demos por concluída uma bela jornada pedestre. Para os mais novos (veteranos nisto) foi um trilho interessante, com belas paisagens e com alguma dificuldade. Para os menos novos e menos experientes foi bem durinho mas, apesar de tudo, um desafio superado e a repetir com frequência.

Caminhada e Pedalada Solidária da SOPRO

No último dia de Maio, juntando o útil ao agradável, decidimos participar nesta actividade solidária organizada pelo SOPRO. Como seria de esperar, optámos pela Pedalada e, como também seria de esperar, foi muito diferente dos passeios em que já tínhamos participado. Desde logo, notava-se uma grande participação de crianças e também um número significativo de mulheres. Tendo em conta tudo isto, tratou-se de um calmo passeio por caminhos e estradas dos arredores de Barcelos. A dificuldade teria de ser baixa e o ritmo também foi, de forma a manter o grupo compacto.

Caminhada e Pedalada Solidária - SOPROPor volta das 11 horas, os participantes da Pedalada chegaram à Igreja de Abade do Neiva e ali aguardaram um pouco pela chegada dos que optaram pela Caminhada. Posteriormente, todos foram presenteados com um agradável lanche e, depois de alguns momentos de convívio, partiram novamente, desta vez rumo ao Colégio La Salle, onde teria lugar uma confraternização final mais demorada. Os "caminhantes" e os "pedalantes" voltaram a separar-se e seguiram por caminhos distintos até ao local de chegada. Para nós foi uma manhã de Sábado bem passada, a fazer o que gostámos e a contribuir para uma causa nobre.