Orquestra Ligeira do Exército

Cerca de dois anos após a última visita, voltei ao Theatro Circo. Desta vez, o objectivo era rever a Orquestra Ligeira do Exército  (OLE). Já os tinha visto anteriormente em duas ocasiões. A primeira foi em Vale de Cambra e, se não me engano, estávamos em 1993. A segunda vez que assisti a um espectáculo da OLE foi no Coliseu do Porto há cerca de cinco anos. Apesar do tempo que passou entre cada concerto, ainda recordo bastantes pormenores dos mesmos. Sei que, pelo menos um elemento (mas talvez sejam mais), ainda se mantém desde o primeiro concerto que assisti. A formação têm-se mantido mas, naturalmente, tem-se assistido a uma renovação dos elementos que a compõem. Se há vinte e tal anos era a única big band do paí­s, hoje, felizmente, já são em número significativo. Contudo, a OLE não manteve a qualidade que possuí­a nessa altura: melhorou-a. E muito!

Orquestra Ligeira do ExércitoA nível de repertório, o estilo também se mantém, mas aparecem novas músicas ou versões diferentes de músicas que já fazem parte do “património” da OLE. Neste concerto ouviram-se temas muito diversificados, passando por clássicos do swing, como “Mack the Knife”, temas da época dourada da música ligeira portuguesa (Paulo de Carvalho ou Fernando Tordo), versões swingadas de fados de Carlos do Carmo, música tradicional portuguesa (enriquecida com magní­ficos arranjos de orquestra), grandes nomes do rock, como os ABBA, os Queen ou Phil Collins, e até a controversa (mas talentosa) Amy Winehouse. Com esta diversidade e com a reconhecida qualidade apresentada a evidente satisfação do público era completamente natural e justificada.

A nível pessoal, é sempre uma enorme satisfação ver a OLE e, em jeito de confissão, reconheço que, em tempos, cheguei a ponderar o cumprimento do serviço militar. Não pelo sentido de missão ou pelo espírito de corpo que isso representava, mas por achar que, dentro dos meus gostos e apetências musicais, o lugar de terceiro trombone (ou trombone baixo) da OLE seria a realização máxima das minhas pretensões a ní­vel musical. Por tudo isto, espero revê-los brevemente e ficar novamente agradado.

{ Leave a Reply ? }

  1. Nídia

    Pela 1ª vez ouvir e vi essa orquestra,na prisão de Tires e fiquei maravilhada. Parabéns!! Tudo muito perfeito.

  2. music Fan

    Poderia me dar uma definição simples de orquestra ligeira? Qual a diferença entre a orquestra e orquestra ligeira? Muito obrigada

  3. Roger

    legal, sou do Projeto apostando no Futuro, me apnxioaei por uma garota, ne3o sei o nome dela, foi numa Sexta, dia 19 deste meas, Ela andava com uma Amiga, axo que o nome dela era Dayanne. e no Finalda apresentae7e3o ela sorriu e falou Xau para Min…..

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *