Monthly Archives: July 2007

Nova companheira de aventuras

el_camino02.jpgApós quatro anos e meio de muito uso, decidi dar algum descanso à guerreira que me acompanhou em grandes aventuras e longos passeios por montes e estradas. A minha Esmaltina (Whitney) já fez certamente uns bons milhares de quilómetros e ainda aguentaria mais alguns. No entanto, o grande desgate a que a sujeitei e os planos para novas e exigentes aventuras, levaram-me a procurar uma sucessora para esta grande resistente. Esta bicicleta foi, sem dúvida, um dos melhores investimeneos que realizei. Teve um custo baixo e uma produtividade elevadíssima, acrescentando a isso uma grande fiabilidade. Em mais de quatro anos, há a registar apenas alguns furos (quase todos na mesma semana) e três trocas de pedaleira (se tinha algum ponto fraco, era este). Foi e continuará a ser uma companheira de extrema confiança, porque uma preciosidade destas não se deve desprezar.

Trek Fuel EX5A sucessora da Whitney é uma Trek Fuel EX5. Trata-se de uma máquina com outro nível de equipamento e materiais, o que se refletiu no seu custo. Espero que, no mínimo, faça o dobro do que a sua antecessora e que se porte tão bem quanto esta. Tenho a impressão que me dará mais trabalho e muito mais despesas do que a anterior, até porque tem muito mais coisas para avariar. Apesar de não ser um topo de gama, penso que servirá perfeitamente para os meus devaneios pelos caminhos e estradas das redondezas e para algumas incursões mais longínquas. Desejo-lhe muita sorte e que seja uma digna sucessora da corajosa e resistente guerreira que agora servirá para percursos menos exigentes.

The Rake’s Progress – Igor Stravinsky

Opera Faber - Ponte de LimaDepois da Aida de Verdi e da Carmen de Bizet, duas das óperas mais conhecidas, desta vez o nome da obra era completamente desconhecido. Mesmo sendo um apreciador de Stravinsky, principalmente pela “Sagração da Primavera”, de “Petrushka” e do “Pássaro de Fogo”, não conhecia a sua faceta operática. Outra novidade foi o local do espectáculo. Apesar de conhecer razoavelmente bem a Vila de Ponte de Lima, não conhecia o agradável Teatro Diogo Bernardes, onde se realizam grande parte dos eventos do Festival de Ópera e Música Clássica de Ponte de Lima. Sob organização da Opera Faber, este Festival vai ainda na 2ª edição, mas promete tornar-se num dos eventos culturais mais destacados da região minhota. Para a região é mais um motivo de atracção turística que complementa o valioso património arquitectónico que a distingue.

The Rake's Progress - Igor StravinskyRelativamente ao espectáculo, “The Rake´s Progress” – “A Carreira do Libertino” ou “A Carreira do Devasso”, conta a história de um jovem, Tom Rakewell, que desejava casar com Anne Truelove. O pai desta questionava essas pretensões devido às poucas posses de Tom. A situação altera-se quando surge um misterioso estranho, Nick Shadow, que afirma que o seu amo, um tio afastado de Tom, lhe deixou uma grande fortuna. Para obter essa herança, Tom teria de se deslocar a Londres. Nessa incursão até à grande cidade, foi sempre acompanhado por Shadow que o introduziu num meio que ele desconhecia. Os bordeis londrinos passam o ser o seu local de eleição e neles vai-se entregando aos prazeres da cidade. Entretanto, Shadow apresenta-lhe Baba, a Turca, com quem se casa de imediato, esquecendo as promessas feitas a Anne. Depois de alguns tempos de luxúria, o modo de vida de Tom desgastou os seu bens e também a sua mente, levando-o à loucura. Este acaba os seus diasnum asilo,  convencido de que é Adónis e esperando a visita de Vénus. Quando Anne o visita ele crê estar na presença de Vénus, mas esta regressa a casa com o seu pai e Tom acaba os seus dias mergulhado na loucura.

Carmen – Georges Bizet

Cerca de seis meses depois de ter assistido pela primeira vez ao vivo a uma Ópera (a Aida de Verdi), voltei ao Porto para assistir a um outro grande espectáculo do mesmo género. Desta vez a escolha recaiu na Carmen, a obra mais afamada de Georges Bizet. O grupo era quase o mesmo, entrando a Nati para o lugar do Arya. O espectáculo foi no Coliseu e, como chegámos em cima da hora, os lugares em que ficámos não eram os melhores, impedindo uma boa visualização do palco. No primeiro intervalo entre actos tratámos de resolver isso e encontrámos lugares com melhor visibilidade.

Carmen - Coliseu do PortoEsta Ópera foi a derradeira obra de Georges Bizet e tornou-se também a mais conhecida. É composta por quatro actos e baseia-se numa obra homónima de Prosper Mérimée. A sua estreia ocorreu em 3 de Março de 1875 na Opéra Comique de Paris. A acção desta obra decorre no início do séc.XIX em Sevilha e nos seus arredores. Carmen, a protagonista, trabalha numa fábrica de tabaco situada ao lado de um quartel onde prestava serviço Don José outro dos protagonistas. O enredo desenvolve-se principalmente em torno de quatro personagens: Carmen, a jovem vistosa e sedutora, Don José, o sargento navarro, Micaela, a jovem casta e ingénua, e Escamillo, o toureiro destemido. As paixões e ódios entre estes intervenientes são o centro sobre o qual se desenrola a história. Don José apaixonou-se pela atraente sevilhana que diariamente admirava à saída do trabalho. A discreta Micaela enamorava secretamente Don José e trazia uma carta da mãe dele que lhe recordava os momentos felizes vividos na sua terra natal e o aconselhava a casar com ela. Este estava convencido a regressar mas, devido a uma rixa em que Carmen se envolveu, foi encarregado de a escoltar à prisão e nesse percurso ela consegue seduzi-lo e atera os seus planos.

Depois de um elaborado enredo onde surgem muitos outros personagens e depois de algumas reviravoltas, Carmen acaba por escolher o toureiro aclamado por toda a praça. Don José, sentindo-se rejeitado, esconde-se na multidão que aclama Escamillo e consegue resgatar Carmen, tentando convencê-la a voltar para ele. No entanto, ela voltou a afirmar-lhe a sua liberdade de escolha, independentemente das consequências que daí pudessem advir. Num momento de loucura resultante da rejeição de que fora alvo e das aclamações que a praça dedicava a Escamillo, Don José atinge mortalmente a sua amada com um punhal. Em desespero cai sobre ela e lamenta o seu destino fatídico.

Carmen - Coliseu do PortoAlém de uma história envolvente, esta peça destaca-se pela música que a acompanha. Muitos dos temas são familiares ao ouvido de todos, mesmo daqueles que não conhecem nada de Ópera. Entre esses temas destacam-se o “Toreador” e “Habanera”. Apesar de não ter tido uma aceitação estusiástica aquando da sua estreia, esta obra de Bizet foi conquistando gradualmente o público até se tornar numa das Óperas mais conhecidas e mais representadas. Nesta representação merece destaque o facto pouco comum de quase todos os intérpretes serem portugueses. A Orquestra Nacional do Porto também esteve em excelente nível, o que contribui para que mais de três horas se passassem muito agradavelmente.

Azenhas do Neiva

Azenhas do Neiva - BTTCerca de um mês depois da Maratona do Porco Assado, participei num outro passeio de BTT. Desta vez o passeio intitulava-se “Azenhas do Neiva” e percorria algumas freguesias junto à foz do Rio Neiva. O evento foi organizado com pelo Rio Neiva BTT e teve início em São Paio de Antas, onde também viria a terminar depois de um fantástico circuito pelas redondezas. Desta vez acompanhou-me o Miguelinho e também por lá andava o Nélson e mais alguns conhecidos. À medida que vamos participando nestas provas começamos a identificar alguns betetistas mais particulares. A chegada ao local decorreu sem problemas e o tempo estava muito bom. Juntando a isto uma organização exemplar, estavam reunidas as condições para uma entusiasmante jornada.

Azenhas do Neiva - Descanso junto à metaO passeio começou com o habitual percurso pelo interior da freguesia e, pouco depois, já estávamos a atravessar o rio por uma ponte bastante estreita que só permitia a passagem a um ciclista de cada vez. Esta foi a primeira de muitas travessias idênticas que tivémos de efectuar ao longo da manhã. O percurso traçado pela organização serpenteava sobre o rio e incluía algumas incursões pelos montes mais altos da região e ainda pelas areias da praia de Belinho. O grau de dificuldade não me pareceu muito alto, embora tivesse algumas subidas “de respeito”, que obrigaram a desmontar da bicicleta. O percurso era maioritariamente feito por monte, calcorreando carreiros bem estreitos e sinuosos que tornavam o percurso muito técnico. No entanto, os locais por onde passámos e as paisagens eram de enorme beleza e até faziam esquecer alguma dificuldade ou cansaço. Apesar de ainda ter poucas participações neste tipo de eventos, o gosto está a aumentar e isso deve-se a excelentes organizaçóes como esta.