Monthly Archives: March 2007

Subida a Carris – Serra do Gerês

Serra do GerêsA Serra do Gerês é um dos lugares de maior beleza natural do nosso país. Uma grande parte da serra está incluída no Parque Nacional Peneda-Gerês e, como tal, é protegida por lei, gozando de alguma protecção contra a acção humana e as suas consequências, muitas vezes indesejáveis. Na área protegida existem algumas plantas e animais que dificilmente observamos noutros lugares, desde os garranos (cavalos selvagens) às pitóes, passando ainda pelos pássaros e o seu canto, que podemos apreciar mais intensamente em lugares como este. Os rios de águas límpidas também se encontram com alguma facilidade e neles proliferam várias lagoas que se assemelham a piscinas naturais.

Represa de Carris - Serra do GerêsA Serra do Gerês tem muitos motivos de interesse, mas um dos que mais me agrada é o trilho pedestre que liga a Portela do Homem às Minas de Carris. Ao longo de cerca de 9 kms, este trilho serpenteia por entre enormes montanhas, até chegar ao topo da serra. Neste local podemos observar uma pequena aldeia abandonada. Até à década de 50, funcionaram no local umas minas que davam emprego a muitos homens. Contudo, devido ao isolamento e dificuldade de acesso, foram construidas várias habitações para permanência dos trabalhadores. Actualmente, estas instalações encontram-se muito degradadas mas permitem ter uma ideia do surpreendente dinamismo que existiu no local, em tempos idos. Ao lado ainda podemos observar uma represa que serve de bebedouro aos animais que vagueiam pelos pastos existentes no alto da serra. Nessa represa também tem origem o Rio Homem, um dos principais afluentes do Cávado.

Subida a CarrisA ascenção até Carris não é muito fácil. O trilho, apesar de belo, apresenta muitas dificuldades. A maior dificuldade é o piso, constituído principalmente por pedras soltas, que complicam a caminhada e podem originar pequenos acidentes, devido à sua instabilidade. A inclinação do trajecto também não ajuda nada. Durante os 9 kms, subimos desde os 700 até aos 1400 metros de altitude. Até chegar a Carris é sempre a subir e, consequentemente, para terminar temos que descer tudo aquilo, o que para mim é bastante mais complicado do que subir. Já fiz este percurso três vezes, mas espero fazer algumas mais e recomendo-o a quem gostar de ambientes naturais. Porém, convém alguma preparação prévia devido ao seu nível de dificuldade elevado.

Cangas de Onís

Ponte Romana - Aguarela de Juan ValdiviaBem no Norte de Espanha, por entre as montanhas asturianas, podemos encontrar uma pequena cidade com muito para contar. Cangas de Onís encontra-se num vale onde confluem os rios Sella e Guena e disfruta de uma situação geográfica previlegiada, encontrando-se simultaneamente muito próxima do mar e da alta montanha. Isto faz com que seja um ponto de grande interesse turístico, mas a cidade está alicerçada num grandioso valor histórico. A região onde se situa possui vestígios históricos de eras muito remotas. Desde logo, é possível encontrar vários exemplos de arte rupestre, principalmente em grutas ou "cuevas". O ex-libris da cidade é a ponte romana, que curiosamente é medieval e não romana (embora construída sobre uma anterior ponte romana). Na época da romanização, e mesmo antes, Cangas era um dos locais de maior importância nesta região.

Don Pelayo - Cangas de OnísMais tarde, quando os muçulmanos invadiram e conquistaram a península, apenas uma pequena região nas Astúrias resistiu a esse domínio. Nessa região vivia uma legião de católicos que, a partir desse reduto inquebrável, iniciaram a Reconquista da Península aos mouros. Em 722, liderados por Pelayo, que viria a ser proclamado o primeiro rei das Astúrias, essa legião de bravos asturianos lançou as bases do que viriam a ser muito mais tarde os Reinos de Espanha e de Portugal, vencendo a mítica batalha de Covadonga. Nessa altura, Cangas de Onís foi proclamada capital das Astúrias e assim permaneceu durante vários anos.

Igreja de Santa Maria - Cangas de OnísNo presente, Cangas de Onís é uma cidade voltada para o turismo, principalmente na versão ligada à Natureza. No centro da cidade existem várias lojas de recuerdos onde abundam as famosas vacas asturianas, a típica cidra e outros produtos muito característicos da região. Em termos arquitectónicos, a cidade e as suas imediações apresentam um estilo muito próprio, onde se destacam as casas de montanha e os hórreos asturianos (espigueiros quadrados). Merecem ainda destaque a Igreja de Santa Maria, construída no início da década de 60, o Palácio Pintu e o Ayuntamiento, todos situados no centro da localidade. Bem perto de Cangas de Onís ficam ainda o Santuário e os famosos Lagos de Covadonga.

Dia do Pi

Pi
Comemora-se hoje, dia 14 de Março (3.14), o Dia do π (pi). Este é, sem dúvida, um dos números mais enigmáticos que se conhece. Pi representa a razão entre o perímetro de um círculo e o seu diâmetro. O perímetro de um círculo é igual ao produto entre pi e o dobro do seu raio

p = pd = 2pr.

Apesar de representar um relação tão simples, este número não é nada vulgar. Trata-se de um número irracional (que não pode ser representado por nenhuma fracção), com um número infinito de casas decimais, que não seguem nenhum padrão de formação. Também é um número transcendente, pois não é raiz de nenhum polinómio com coeficientes reais. Esta irregularidade levou a grandes dificuldades na sua descoberta e compreensão. Durante milhares de anos, este número constituiu um dos grandes enigmas matemáticos de várias civilizações em todo o mundo.

PapiroAs primeiras referências a p reportam-se aos matemáticos babilónios do séc. XIX a.C., que lhe era atribuiram o valor de 25/8 (que é uma aproximação com um erro relativo de 0,5%). No Antigo Egipto já existia uma consciência da existência desta relação. Para os egipcíos, o perímetro era um pouco mais do o triplo do diâmetro. O escriba egípcio Ahmes, efectuou o primeiro registo escrito de pi, num papiro do séc. XVII a.C., atribuindo-lhe o valor de 256/81. Também na Bíblia existe uma referência ao número 3 para representar esta razão. Mais tarde, várias civilizações oram descobrindo valores cada vez melhores para esta curiosa constante. Nos séculos seguintes, os sábios gregos, indianos e chineses também foram apresentando novos valores, correspondendo a aproximações cada vez melhores. Hoje em dia são usados super-computadores para determinar o valor de pi com muitos milhões de casas decimais correctas.

Pi - ArquimedesA letra grega π só começou a ser utilizada para representar esta razão há cerca de 300 anos, na publicação "Synopsis Palmariorium Mathesios" de William Jones (1706). A escolha corresponde à primeira letra da palavra grega περιφέρεια (periphereia), que significa "à volta de". Antes, era conhecido como "constante de Arquimedes". O símbolo π era usado para indicar a circunferência de determinado círculo. No entanto, a notação introduzida por William Jones foi adoptada pelo grande matemático Leonard Euler e, a partir de então, passou a ser a representação standard para a representação da misteriosa constante.

Last.fm

Last.fmUltimamente, o meu meio preferencial para ouvir música tem sido o computador. Quando estou a navegar pela internet, a realizar algum trabalho escolar ou outra qualquer actividade, tenho por hábito ter música de fundo. Antes usava CDs ou álbuns em mp3, guardados no computador, para ouvir os meus artistas preferidos. Há uns tempos atrás, descobri o last.fm e os meus hábitos alteraram-se. O last.fm é um pequeno programa que se instala rapidamente e que consome poucos recursos. Depois de activado, o last.fm transforma-se na nossa rádio pessoal. Podemos escolher os temas ou os artistas do nosso agrado e o programa reproduz alguns desses artistas e outros do mesmo género.last.fm Assim, além de ouvir a música que gostamos, ficamos a conhecer outros artistas semelhantes, acabando alguns deles por entrar para a nossa lista de preferências. Além de escolher a música por autor, podemos também escolher por estilo musical, ou ainda escutar a rádio de outro utilizador do last.fm. À medida que o vamos utilizando, com base nas nossas escolhas, o programa vai elaborando uma rádio pessoal de cada utilizador. Esta é uma forma interessante de descobrir novos autores e podemos ainda travar conhecimento com outras pessoas espalhadas pelo mundo, com os mesmos gostos musicais. Numa altura em que a internet caminha cada vez mais num sentido de comunicação, colaboração e partilha, o last.fm é um bom exemplo das novas aplicações presentes nesta rede global.

Chicago

Chicago Transit AuthorityNos últimos anos da década de 60, um grupo de estudantes da Universidade de DePaul, que se reuniam regularmente para algumas jam sessions, decidiram formar uma banda à qual puseram o nome de The Big Thing. No início interpretavam covers, mas rapidamente optaram por compor temas originais, onde impressionava a enorme técnica e versatilidade de uma fabulosa e pouco comum secção de metais composta por Walter Parazaider (saxofone), James Pankow (trombone) e Lee Loughnane (trompete). Em 1969, a banda lançou o primeiro álbum e mudou o seu nome para Chicago Transit Authority. Pouco depois, devido a uma queixa apresentada pela "verdadeira" Polícia de Chicago, decidiram alterar de novo o seu nome para o definitivo Chicago.

ChicagoNo início da década de 70, os Chicago criaram grandes hits, destacando-se entre eles "Make Me Smile" e "Colour My World". Durante toda essa década, os discos foram-se sucedendo a um ritmo elevado e novos êxitos iam surgindo. O estilo muito próprio, fundindo o rock com o jazz e ritmos latinos, que só encontrava paralelo noutra grande banda do mesmo género – os Blood, Sweat & Tears – angariava muitos admiradores por todo o mundo, levando-os a realizar concertos um pouco por todo o lado. Nos anos 80, a sonoridade dos Chicago mudou bastante, virando-se mais para baladas melodiosas e sons mais próximos do pop. Desta fase ficaram célebres alguns temas, como "Hard To Say I’m Sorry" ou "If You Leave Me Now". A partir de meados de 80, os Chicago entraram em declínio e, embora continuem activos, nunca mais produziram trabalhos que obtivessem o mesmo reconhecimento. Hoje em dia fazem ainda muitos concertos, principalmente nos Estados Unidos, em grandes salas ou casinos.

ChicagoAlém da música, existem mais alguns aspectos muito característicos dos Chicago. Um deles é o lettering inconfundível, que se mantém desde os primórdios da banda. Outro é o título dado a cada albúm. Quase todos tem por título Chicago, seguido de um numeral romano, indicando a sua posição na torrente criativa do grupo. O último, intitulado Chicago XXX, foi lançado em Março do ano passado.