Caminho de Santiago em bicicleta

A Caminho de Santiago

A minha grande aventura deste Verão decorreu entre os dias 8 e 10 de Agosto. A ideia já tinha uns tempos, mas existiam alguns receios de a concretizar. O único que teve um grau de loucura semelhante ao meu foi o Nelson, que desde o princípio se mostrou entusiasmado com a ideia. Depois de alguns treinos, mais ou menos intensivos, decidimos fazer-nos ao Caminho.

O trajecto que escolhemos ligava São Tiago de Carapeços a Santiago de Compostela, tendo ainda que passar por Barcelos para perfazer os 200 kms exigidos para obtenção da Compostela (documento que atesta a realização do Caminho de Santiago). O Caminho foi pensado para os peregrinos a pé e, como tal, os que o fazem em bicicleta têm algumas dificuldades acrescidas. Existem sítios em que não podemos ir em cima da bicicleta, nem sequer ao lado. Temos de ser nós a carregá-la! Não é de todo injusto, porque as bicicletas também sofrem muito com o caminho.

O Nélson e eu em SantiagoNo primeiro dia ligámos Carapeços a Redondela (Espanha), destacando-se nesta etapa a dureza do percurso entre Ponte de Lima e Valença. Talvez fosse o troço mais bonito, mas não deu para apreciar muito. Fizemos cerca de 120 kms mas a recuperação física foi facilitada pelo excelente jantar e pelas boas condições do albergue de peregrinos local.

No segundo dia ligámos Redondela a Santiago, onde chegámos a meio da tarde. Foram cerca de 90 kms, menos duros que os anteriores mas com algum cansaço acumulado. No entanto, a sensação de objectivo cumprido, na chegada à Catedral de Santiago, faz esquecer todo o esforço. Pelo meio, ainda houve tempo para uma queda e um furo (tudo para mim, claro!), mas sem grandes consequências. Depois fomos levantar a Compostela e procurar o Seminário Menor, onde ficámos alojados. Só foi pena não conseguirmos visitar a Catedral, pois já estava fechava quando lá voltámos, depois de termos ido ao Seminário Menor marcar as dormidas.

Chegada de SantiagoÀ noite concluímos que não estávamos muito cansados e decidímos que, no dia seguinte, íamos tentar fazer o regresso todo num único dia. Dado que viríamos por estrada, o ritmo seria mais elevado, mas eram muitos quilómetros. Saímos cedo e ao fim de 3 horas estávamos a lanchar em Pontevedra, sendo que 3 horas depois já estávamos a almoçar em Valença. Pelo meio ainda fizémos cerca de 20 kms por auto-estrada (por engano!). Às 5h30 já estávamos em casa. Foram mais de 180 kms em que o nosso maior adversário foi o imenso calor que se fazia sentir.

Em resumo, foi uma grande aventura que despertou a vontade de outras ainda maiores. Ficou a ideia de fazer o Caminho Francês de Santiago. Vamos ver se a ideia se mantém ou se é passageira, mas certamente existirão novas loucuras do mesmo género!

{ Leave a Reply ? }

  1. Rag

    Obrigado por nos dares a conhecer o teu relato do “camino”.
    Em Maio, se tudo correr bem, iremos apresentar também a nossa viagem.
    Boa seleção musical no Blog.
    Saudações Btt

  2. bicicletas usadas chile

    Me encanta tu sitio web. muy buen contenido siempre =),
    sigan asi gente y no cambien.

    saludos.

  3. Romeld

    As a fan, and from a purely aeeshttic point of view, I love is as well but as an astronomer with an interest in politics, I think that those borders are just entirely too neat, and the scales are entirely unrealistic. It is only a nitpick, of course :)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Pingback & Trackback

  1. Anonymous - Trackback on 2006/09/22/ 10:23
  2. Helder Rodrigues » Blog Archive » Caminho Francês de Santiago - Pingback on 2007/04/09/ 13:30
  3. Helder Rodrigues » Blog Archive » Caminho Português de Santiago – 2010 - Pingback on 2010/09/20/ 20:47